8.8.05

Fim de um sonho

Na geladeira tinha um cubo que não estava frio. Peguei-o com as duas mãos entreabertas e fitei-o com os olhos castanhos fedendo à fumaça. Dobrei-o. Guardei no bolso.

Todo dia era assim que funcionava: o sonho morava no bolso, mas já havia há oito anos, era um sonho embolorado, musgo, sabão.

Num belo domingo, escafedeu-se como uma bolha de sábado virada no avesso pelo vento.

4 comentários:

Helena disse...

Gostei disto, do sonho de bolso. Propus no Ovo Azul Turquesa, fazermos uma série de micro-poemas Na Malásia.

beijos,

Mhel
http://www.ovoazulturquesa.blogspot.com

parla marieta disse...

sonho de bolso...

virginia disse...

os sonhos de bolso não morrem jamais. eles vivem nas dobras obscuras do desejo e do universo.
Vivi

marta disse...

"e uma bela pintura","escafedeu se como uma bolha de sabao de sabado virada no avesso pelo vento",sem duvida uma bela pintura...
:)
marta