9.8.05

Fetiche (mais sobre os sonhos que jamais se cumprem)

Custei muito a compreender que Deus era um joão-de-barro que se dedicava o dia todo à procrastinação dos sonhos. Com seu bico, novos adões projetados resmungam indefesos, mas os murmúrios se quedam mudos.

No dia em que acordei soberano, sofri as dilacerações da amálgama fraqueza de ser humano.

3 comentários:

Publish Your Comment disse...

Que grande bosta, hein?

Anônimo disse...

eu preciso saber da sua vida.
angélica

Ana Eloisa disse...

A fraqueza humana nos desobriga de fazer cumprir sonhos, habilita-nos a vivê-los, todavia.
Inventá-los mesmo...mesmo que não sejam reais...mesmo que sejam só sonhos.

Abraço.