22.7.05

Upa-upa

As coisas ficavam dentro da caixa amarela e viviam felizes num reino imaginário. Tudo dentro do armário, dentro do quarto, dentro da casa, dentro do prédio, dentro da quadra, dentro do bairro, dentro da cidade.

A cidade nunca existiu.

3 comentários:

grzl disse...

só hoje comento, porque quis ler o seu blog todinho. o tempo passou a correr. eu adorei o que escreve. voltarei sempre.
um abraço
graziela

parla marieta disse...

pois é...
hoje nem as suas brincanças com as palavras me alegram.
estou triste, muito triste, menino.

Jacy disse...

eu acho q ainda vou entrar em parafuso lendo essas coisas q vc escreve... rsrsrs o pior eh q ainda leio em voz alta pras meninas q trabalham comigo...
louco eh vc q escreve coisas loucas ou louca sou eu q espalho suas loucuras? rsrsrs

A Ale, q trabalha comigo, disse q em alguns momentos vc a faz lembrar-se de um tal Gregório de Matos... acho q cabulei essa aula... mas d qq forma deve ser um elogio... rs

Bjao