9.3.09

Minha cabeça, hoje

Estranho demais isso de saudades. Nunca trabalhei simultaneamente com você aqui, mas percebo restos de sua vida nos corredores, nos bebedouros d'água, nas cadeiras e mesas e pessoas.
De lá, saímos ao mesmo tempo, praticamente. Como uma alma bipartida, um campo semântico esfarrapado ou um sentimento arguto podado ainda na infância.
Haverá um reencontro? Teremos um tempo? Novo momento? Um abecedário novo?
Quando a luz se apaga, o que sobra são as lembranças. Todas tristes.

2 comentários:

Giovanna disse...

saudades são assim mesmo e geralmente são simultâneas.

gabism disse...

Saudade, a palavra que é em si mesma uma linda poesia.