20.5.08

sonhos de um tempo

vamos embora
joga fora teu relógio
tua hora já acabou

queima os sonhos na lareira
mas não leva o que restar
a fumaça cuida das lembranças

um quê caetânico vai olodunzar os teus quadris
e nas curvas do teu corpo eu vou sorrir
voltar a sorrir

agora vamos embora
que o instante urge
persiste a clemência dos ateus
sobra a fugacidade da vida
e os beijos surdos da adolescência

sente a vibração do ar
e lembra como é bom não sonhar
em tempos de pesadelo
lembra que o medo é brinquedo
e as armas também são de brinquedo

foge agora
se não quer ir embora comigo
e sei que num peito abrigo
teus sonhos voltarão tristes...

2 comentários:

Carol Zaine disse...

wow!

Anônimo disse...

as armas são de jorge, da capadócia, não minhas...

brinQs