22.11.06

Esboços de uma estação passada (vol. 1)

Preciso escovar os dentes e lavar o cérebro também.
Lógica capitalista irreversível e nojenta: negue o ócio, negócio.

Hoje estou pra ontem.

A noite! A lua! As folhas caindo e ainda estamos na Primavera! Bauru!! Churros!!!
Que saudades de casa!! Mas...
Libertinagem, Edison!!

Bairro Fortunato. Nos meus ouvidos ressoa o verso de Camões: A fortuna não deve durar
Vou dormir triste. O sábado foi cheio de miséria numa rotina que grudou tristemente em minha retina.
Onde reina o amor?

Hoje acordei com vontade de escrever
principalmente porque dentro de mim há uma dor pungente
mas não tenho a menor idéia sobre o que escrever

..........................................
..........................................
..........................................
..........................................
..........................................
..........................................
ahahahahahahahahahahahah

Por mais que o mundo pareça perdido, há sempre o nada nadando feliz pelos rios que riem da gente.

Um comentário:

Giovanna Longo disse...

Algumas coisas são tão repetitivas que chegam a ser sufocantes.
O momento em que damos o brado da liberdade é o momento mais significativo de nossas vidas. Dali tiramos um aprendizado e diz a sabedoria que seguimos em frente. Ela diz ainda que errar mais de uma vez é burrice, será?
Então somos todos tolos, precisamos de mais de uma oportunidade para aprender, para compreender o que esse mundo quer de nós. Nem sequer sabemos o que queremos dele... somos tão volúveis...