26.5.06

Sortimento

Um amor que se preza, a surpresa burila:
Na lida há tempo pra cerzir amanheceres
E na alcova cego sossego em suaves prazeres.
Hoje não sei se tem lua
- a cidade apagou -
Não entendo de ventos
- a rosa já era -
Nem mais quero chorar
- meu relógio murchou!

Ao atravessar a rua quero encontrar o pensamento
antigo
- e nem por isso esquecido ou avesso -
guardado bem dobradinho
com três tantos de carinho
no canto do teu bolso esquerdo
- talvez protegido sob um guarda-chuva.
É nele que se apóia a crença
- nem mambembe, nem mambira -
naquele quê de eterno
quasenada, diz tudo:
- Eu te amo!

5 comentários:

andre cravo disse...

faz tempo que não passava por aqui, mas continua muito bom os textos! precisamos combinar algo! a famosa cerveja no finnegans..
abraços

Jacy disse...

adoreeeeeeeeeeeeeeeeei esse texto!! rs

Anônimo disse...

Here are some links that I believe will be interested

Anônimo disse...

Your website has a useful information for beginners like me.
»

Elton disse...

E eu que não sabia
Que você era versado
Nos versos — que versos!