15.1.06

Diáspora ao contrário

Não sei o que faço aqui. Pergunto às minhas lágrimas, que se quedam sem resposta. Eu não sou daqui. Eu não tinha que estar aqui. Meu lugar é lá longe, meu lugar é calmo, meu lugar é em paz.

Não sei o que faço aqui. Estou colhendo flores nas frestas das calçadas, estou chovendo no concreto, estou me perdendo poeta.

Não sei o que faço aqui. Se pudesse, pularia a linha ou viraria a página. Se pudesse, tomaria o primeiro ônibus. Se pudesse, ah! se pudesse, quanta coisa faria. Menos ficar aqui.

Porque não sei o que faço aqui.

4 comentários:

mana disse...

fica aqui comigo.
te amo

Cláudio B. Carlos (CC) disse...

Não nos perdemos poetas. As pessoas é que não nos acham.

Abraços do CC.

parla marieta disse...

Como não sabe o que faz aqui?
faz coisa boa, faz trabalho bom, faz amor.
ama, acontece, vive, sonha e espera.
Fique!

tháta disse...

Ah querido... tb naum sei o que faço aqui, tb nuam queria estar aqui... se isso parasse eu iria descer... grita comigo, "pára eu quero descer"...
.
.
.
naum pára nunca...