19.6.06

Suave como uma dobra

Era estranho morar numa dobra. Ali onde os ponteiros do tempo jamais se cruzavam e o remelexo do vazio podia ser sentido às folhas da pele, em arrepios que não títeres nem alicerçados. Morar numa dobra, sem sombra, sem sobra, era estranho.

Mas dava para brincar eternamente de pique-esconde, escorregar nos vincos, colher pó, visitar esperanças enrustidas, dormir sem travesseiro. Sistófeles se aproveitava:

- Cada obra é uma dobra que abrocadabro.

- Cadoquê?

- Porque se assopro, voa. Ué?!

- Sabinão?

E o maior medo era quando a dobra ia esticando, esticando, esticando. Se deixasse de ser dobra, passada assim a ferro quente, a existência sumiria. Eram os mais doces instantes de melancolia que Deus inventava.

5 comentários:

Henrique Zebra disse...

Michelmaffesolice essa dobra esticadinha aí, hein! hehehe Adorei!

Abraço,

Anônimo disse...

Oi, Edison,
Adorei esta dobra no tempo.
Genial! Quase fiquei presa nela.
Beijos,
Thaïs

Anônimo disse...

Very pretty site! Keep working. thnx!
»

Anônimo disse...

I say briefly: Best! Useful information. Good job guys.
»

Anônimo disse...

Where did you find it? Interesting read Dan kitchens hha sports Accutane protein urine Cheapest place to buy ionamin online sd memory card closeouts Tenuate for diet on line Broward website design company